Finados: Esperança nasce de momentos de dor e sofrimento, diz Papa

Nesta quinta-feira, 2, Dia de Finados, o Papa Francisco celebrou a Missa em recordação dos fiéis falecidos no cemitério estadunidense de Nettuno, situado na diocese de Albano, em Roma. Com o gesto, o Pontífice rezou pelas vítimas da Segunda Guerra Mundial sepultadas no local, mas também por todos os mortos em guerras.

Assim que chegou, o Pontífice caminhou por entre os túmulos, oferecendo flores e rezando pelas almas dos sepultados.

Durante a Santa Missa, o Santo Padre recordou que a guerra produz morte e sofrimento, mas que a esperança não decepciona.

“Todos nós hoje estamos aqui reunidos na esperança. Cada um de nós, no próprio coração pode repetir as palavras de Jó que ouvimos na primeira leitura: Eu sei que meu Redentor está vivo (…)

Mas a esperança muitas vezes nasce e finca raízes em muitas chagas humanas. Em muitas situações em momentos de dor e sofrimento se olha para o céu e diz “Eu creio que meu Redentor está vivo mas pára, Senhor…”

Papa Francisco reforçou que nesses momentos de dor o que se pede a Deus é justamente para que Ele pare, cesse a guerra:

“Nunca mais esta tragédia inútil, como disse Bento XV. Melhor esperar sem essa destruição: jovens, milhares e milhares … esperanças ceifadas. Nunca mais, Senhor, isso devemos dizer hoje. Por todos os defuntos mas de forma especial por esses jovens. O mundo hoje está em guerra e se prepara para ir mais fortemente para a guerra. Nunca mais, Senhor! Não mais… pois com a guerra se perde tudo.”

O Papa citou a anciã que, olhando as ruínas de Hiroshima, com resignação e muita sabedoria, disse ‘Os homens fazem de tudo para declarar e fazer uma guerra, e no final destroem a si mesmos.’

E completou, falando sobre os dias atuais: “Esta é a guerra: a destruição de nós mesmos. Certamente aquela mulher, aquela anciã que tinha perdido filhos e netos, somente tinha chagas no coração e lágrimas nos olhos. Hoje é também um dia de lágrimas. Lágrimas como aquelas que tinham as mulheres quando o correio chegava e dizia: A senhora tem a honra pois seu marido foi um herói da pátria, que seus filhos são heróis da pátria, são lágrimas que hoje a humanidade não deve esquecer. Este orgulho desta humanidade que não aprendeu a lição e parece que não quer aprendê-la.”

Francisco terminou a homilia dizendo que, na história, os homens pensam em fazer uma guerra com a convicção que estão fazendo algo novo, uma primavera, mas a realidade é que terminam num “inverno bruto, cruel, no reino de terror e da morte”.

E se recordou dos mortos atualmente: “Hoje rezamos por todos os defuntos, todos, mas de modo especial por estes jovens. E num momento em que tantos morrem nas batalhas de todos os dias, nesta guerra em pedaços, rezemos pelos mortos de hoje, mortos de guerra, até crianças inocentes. Este é o fruto da guerra: a morte. Que o Senhor nos dê a graça de chorar.”

Por Canção Nova

Comentários

comentários