Mons. Arellano sobre discurso do Papa na FAO: corajoso e original

“Corajoso” e “original”: com esses dois adjetivos, o observador permanente da Santa Sé junto à Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, Mons. Fernando Chica Arellano, define o discurso do Papa na Fao na segunda-feira (16/10), por ocasião do Dia Mundial da Alimentação.

A coragem de falar de “amor” como parte integrante das “relações internacionais” e de insistir na importância da “vontade” no contexto do combate à fome: “agir, mas com amor” – foi a síntese feita pelo representante vaticano.

Ademais, referindo-se sobre a relevância dada pelo Papa acerca da mais que necessária “distribuição equânime dos frutos da terra”, mas, sobretudo, acerca do “direito de todo ser humano a alimentar-se segundo as próprias necessidades, o observador permanente da Santa Sé fala de conceitos revolucionários neste mundo marcado por tantas desigualdades.

Mons. Fernando Chica Arellano:- “Parece-me ter sido um discurso corajoso, com os pés no chão; um discurso muito original, porque o Papa dirigiu um grande apelo à comunidade internacional a fim de que nas relações internacionais apareça a palavra ‘amor’. Muitas vezes, quando pensamos no amor cremos tratar-se de uma virtude somente para as micro relações, para as relações domésticas ou para uma relação muito circunscrita. Ao invés, o Papa falou da caridade, do amor como chave da ‘relação internacional’. O amor – explicou o Papa – não é uma palavra intimista, não é um sentimento ‘teórico’; o amor deve levar a realmente derrotar a fome, a acabar com esta migração forçada, obrigada, onde as pessoas fogem porque não têm o pão de cada dia para suas crianças, seus entes queridos, para si mesmos.”

RV: O Santo Padre disse que “a fome não é uma doença incurável”; é preciso buscar distribuir as riquezas porque a produção mundial é enorme…

Mons. Fernando Chica Arellano:- “Com certeza, e o Papa disse isso muito bem: não é uma doença incurável; a fome é a origem de muitas doenças, mas se pode debelar. Basta apenas uma coisa: querer isso. Falta boa vontade. Faltando isso, a fome continuará sendo um flagelo que está aí, que espezinha todas as pessoas, sobretudo os mais pobres. Foi um grande apelo a passar das palavras às obras. É tempo de agir com amor, buscando o bem-estar de todos, não somente de um pequeno grupo.”

RV: Muitas guerras são feitas por causa da falta de alimento. Essas guerras são feitas também por porções de território. Tem-se a impressão de que curando a fome, se curam, ao mesmo tempo, muitas guerras…

Mons. Fernando Chica Arellano:- “Pior ainda. Muitas vezes a fome é uma arma de guerra. É uma coisa verdadeiramente assustadora. Para acabar com a fome é preciso investir na paz. Com a paz tudo pode ser alcançado. A paz é como um imã que atrai muitos bens; a guerra é um imã que atrai muitos, muitos males.”

Por Rádio Vaticano

Comentários

comentários