A Voz do Pastor: Na Rocha de Pedro

Queridos irmãos e irmãs,

Quando entrei no seminário, numa das primeiras aulas, nos foi apresentado um grande mapa com a História da Igreja avançando sobre a história de todos os outros reinos e impérios da Terra. Todas as linhas que indicavam os reinados, que os homens haviam construído e presenciado a destruição, começavam num ponto indefinido, mas terminavam num outro ponto bem definido. A linha da Igreja, ao contrário, começava num ponto definido e não terminava jamais: avançava sobre todos os reinos e impérios. Era uma linha branca que avançava sobre as outras como marca de uma paz que não tinha fim. Naquela época, ainda adolescente, saído de um grupo de jovens de uma pequena cidade do interior mineiro e recém-chegado ao seminário, aquela linha branca era o sinal do mais inconfundível orgulho. Era a minha Igreja. Era a minha opção. Era o destino que eu mesmo havia dado à minha vida no seguimento a Jesus.

Os anos passaram, sempre passam. Na caminhada de fé, tornei-me diácono daquela Igreja, padre daquela Igreja, Bispo Auxiliar daquela mesma Igreja. Tornei-me o que devia me tornar para que a linha branca continuasse, não apenas no papel, mas nas almas das pessoas.

No mês passado, cheguei da visita junto à Sé de Pedro. Fui numa atitude de fé até Roma, ao encontro do Sucessor de Pedro, para receber o pálio. Fui como Arcebispo da Arquidiocese de Niterói. Fui sozinho, mas levei a todos na oração e no coração. Lá, eu estava representando a todos vocês. Vocês estiveram lá, comigo. Éramos todos personagens cheios de confiança no rochedo sólido da fé, representada na rocha de Pedro. Amados Metropolitas – o Papa nos disse no sermão – o pálio, que vos entreguei, recordar-vos-á sempre que estais constituídos no e para o grande mistério de comunhão que é a Igreja, edifício espiritual construído sobre Cristo, como pedra angular, e sobre a rocha de Pedro. 

Mas o que é o pálio? O pálio é uma insígnia antiga feita de lã. No dia de santa Inês, o Papa abençoa os carneiros que vão fornecer lã para as irmãs Beneditinas confeccionarem o pálio. No momento da celebração de entrega, os diáconos buscam o pálio que está colocado no túmulo de São Pedro e o entregam ao Papa. Ele, então, os abençoa e os coloca nos ombros dos arcebispos, expressando a missão de bom pastor com Jesus, a serviço de uma comunhão cada vez maior entre o pastor e o rebanho. Não existe rebanho se não existir o pastor. Não existe pastor se não existir o rebanho. Um adquire sua razão de ser na relação com o outro.

O pálio é um colarinho com dois apêndices e seis cruzes, que representam o mistério de Jesus, bom pastor, que doa sua vida pela salvação de todos. Os alfinetes colocados à frente, do lado esquerdo e atrás, são sinais dos cravos da paixão de Cristo, e da cruz que é colocada nas costas do pastor, como jugo suave, mas exigente na doação da vida.

Jesus é o bom pastor de todos os que o seguem na alegria, nas dificuldades e nas situações impossíveis. Hoje, pesa sobre mim o desafio de ser o reflexo desse bom pastor, presença cotidiana na vida das pessoas, nas dificuldades e nas alegrias. Mas o peso é suave. Embora eu seja um pálido reflexo do Grande Pastor, sou o reflexo dele que ele mesmo pediu que o refletisse. Deus tem seus caminhos. Para nós, isso é impossível. Para Deus, nada é impossível. Precisamos nos ajudar. Conto com vocês. Insisto que rezem pelo bispo de vocês.

Termino com uma lembrança das mais felizes da minha vida. O momento da entrega do pálio foi emocionante e cheio de alegria. Eu disse ao Papa que era de Niterói, e ele me respondeu: “Eu já fui a Niterói”. Ele esteve aqui, quando veio dar um curso para Bispos no Rio de Janeiro. Então, eu lhe fiz o convite para vir nos visitar na Jornada Mundial da Juventude. Claro que ele não respondeu, e nem poderia, pois a programação da Jornada é feita pelo Pontifício Conselho dos Leigos. Mas o convite foi feito. Sementes sempre podem ser plantadas. No dia seguinte, dia 30, houve uma audiência com o Papa para o encontro com os Arcebispos e, novamente, ele me falou: “Eu já estive em Niterói”. Pedi uma benção especial para toda nossa Arquidiocese. Então, ele nos abençoou.

Deixo a todos a bênção e o carinho do Papa para nossa Arquidiocese. Estamos firmes com Pedro e com o Sucessor de Pedro. Estamos firmes com Jesus, o Cristo de Deus, alfa e ômega, princípio e fim. Ele é a razão de nossa vida.

Neste mês dedicado às vocações, cada um de nós possa descobrir sempre de novo a razão de sua vida e vocação; e com alegria responder ao chamado de Jesus Cristo. Vivamos por Ele!

+ Dom José Francisco Rezende Dias
Arcebispo Metropolitano de Niterói

Comentários

comentários

Deixe uma resposta