E a consciência missionária, vai bem?

Às vezes me pego, durante a celebração da Santa Missa, olhando a minha volta: as igrejas cheias, o povo cantando, uns em profunda vivência daquilo que estão celebrando,… Nesta hora, agradeço ao Senhor por ter-se feito Boa Nova e Alimento para cada um de nós, mas ao mesmo tempo, meu pensamento vai ao encontro daqueles muitos irmãos, os batizados, os não-batizados e àqueles que nunca ouviram sequer o pronunciar do nome “Jesus”.

Todavia, não existe cristão católico, de fato, que não se preocupe com as pessoas que não têm a oportunidade de celebrar, ao menos nos domingos, a Santa Missa. Se a Missa nos faz tão bem, porque milhares de pessoas não podem participar dela? Se Jesus veio para todos, por que ainda é um desconhecido para muitos? Os motivos podem ser vários: distância dos locais de celebração, não querer, falta de sacerdotes que celebrem ou ao menos ministros que celebrem a Palavra,… mas na verdade “Como irão crer, se não há quem pregue? E como pregarão se não forem enviados?” (Rm 10,14).

Infelizmente, para muitos católicos falta a consciência missionária: de partilha, de caridade, de zelo, de querer bem, de amizade, de generosidade, de unidade, de catolicidade. Preocupamo-nos somente com o nosso próprio umbigo e, quiçá, com os “bigos” mais próximos: minha vida, meus amigos, minha pastoral, minha paróquia, minha arquidiocese, meu grupo, minha família, e tantas outras que poderiam ser enumeradas (lembro-me de um bordão que nos é conhecido “Tudo meu!”). Mas, e a NOSSA Igreja, os NOSSOS irmãos? Será que a eles é justo negarmos a Salvação? Guardar o tesouro? Cabe a nós, crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos a tarefa de continuar a Missão de Jesus. Pois já nos afirmava João Paulo II ao mencionar o Documento Ad Gentes: “TODO batizado É missionário!”, então a Missão é sua também! Olhe para fora!

“Nossa maior ameaça ‘é o pragmatismo da vida cotidiana da Igreja, no qual aparentemente, tudo procede com normalidade, mas na verdade a fé vai se desgastando e degenerando em mesquinhez’. A todos nos toca recomeçar a partir de Cristo, reconhecendo que ‘não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou uma grande idéia, mas pelo encontro com um acontecimento, com uma Pessoa, que dá um novo horizonte à vida e, com isso, uma orientação decisiva’” (DA1, 12).

O Papa Bento XVI em sua mensagem para o Dia Mundial das Missões deste ano afirma: “Este objetivo reaviva-se continuamente através da celebração da liturgia, em especial da Eucaristia, que se conclui sempre evocando o mandato de Jesus ressuscitado aos Apóstolos: «Ide…» (Mt 28, 19). A liturgia é sempre uma chamada «do mundo» e um novo início «no mundo» para testemunhar o que se experimentou: o poder salvífico da Palavra de Deus, o poder salvífico do Mistério pascal de Cristo. Todos aqueles que encontraram o Senhor ressuscitado sentiram a necessidade de O anunciar aos outros, como fizeram os dois discípulos de Emaús. Eles, depois de ter reconhecido o Senhor ao partir o pão, «partiram imediatamente, voltaram para Jerusalém e encontraram reunidos os onze» e contaram o que lhes tinha acontecido pelo caminho (Lc 24, 33-35). O Papa João Paulo II exortava a estarmos «vigilantes e prontos para reconhecer o seu rosto e correr a levar aos nossos irmãos o grande anúncio: “Vimos o Senhor”!» (Carta ap. Novo millennio ineunte, 59)”.

Podemos ser missionários: 1. Rezando por àqueles que não conhecem a Jesus, que não acreditam n’Ele, pelos que se afastaram d’Ele, pelos locais de missão, pelos missionários, pelas iniciativas missionárias e por todos os Continentes, ao invés de rezarmos apenas pelo que está a  nossa volta, etc; 2. Ajudando materialmente, pois muitos missionários e povos dependem de sua colaboração. Todo 3º domingo de outubro há uma coleta missionária e, (pasmem!!!), a doação dos católicos brasileiros à Missão, por ano, é de menos de cinco centavos por pessoa (não dá nem para uma balinha!) e 3. Atuando na linha de frente, indo aos locais de Missão e, lá, proclamando a Boa Nova, enviado por uma Igreja Particular ou por um Instituto Missionário.

Eis a missão: batizado você é! Ide, irmão, anunciar a sua fé!!! Vamos?!

Gisele Ferreira (Leiga Consagrada – Missionária)

Comentários

comentários

Deixe uma resposta