Itaboraí promove mostra de mobiliário sacro

A Prefeitura de Itaboraí, através da Fundação de Arte e Cultura (FAC), promove a exposição “Arte em Oratórios – Mobiliário Sacro do Século XIX” até o dia 22 de julho. A mostra reúne sete peças raras, confeccionadas entre os séculos 18 e 19, pertencentes à coleção da antropóloga Heloísa Alberto Torres, que dá nome a bicentenária Casa de Cultura onde o acervo ficará exposto gratuitamente ao público.

Oratórios são relíquias que expressam a fé e a devoção da humanidade desde os tempos mais remotos. Os romanos, por exemplo, guardavam em pequenos nichos ou armários as imagens de seus deuses. Já os cristãos cultuaram a partir destes objetos, Cristo e a Virgem. Os oratórios eram uma peça fundamental em cada casa no Brasil do fim do século 17 até o início do século 20. Registros encontrados dão conta que as primeiras caravelas que aqui aportaram em 1500, traziam um exemplar com a imagem de Nossa Senhora da Esperança. A partir daí a tradição se difundiu e os bandeirantes que saiam da Vila de São Paulo de Piratininga não dispensavam a companhia de um oratório a quem oravam em busca de ouro e índios.

O destaque da exposição é o oratório que remete ao século 19 com porta de vidro e ornamentação geométrica aplicada na madeira. Conta também com pedestal para a imagem de Nossa Senhora das Dores em madeira talhada. Este móvel pertenceu a Dona Maria Joaquina da Costa Cordeiro, bisavó do escritor e jornalista Alberto Torres, que era pai de Heloísa.

Há também exemplares de anjos, castiçais, crucifixos variados, quadros, móveis diversos e uma imagem de Santo Antônio, segurando o menino Jesus, com uma curiosa cavidade nas costas da peça, sugerindo o “Santo Antônio do pau oco”.

Segundo o curador, Professor Cláudio Rogério Dutra, a mostra tem por objetivo resgatar o patrimônio cultural e valorizar as tradições religiosas do nosso povo. “É com orgulho que abrimos esta exposição na semana em que comemoramos Corpus Christi, São João e São Pedro. São peças inéditas, algumas com quase 200 anos de existência, nunca antes mostradas ao público, e que foram conservadas e restauradas pela Casa de Cultura”, comemora.

Para o presidente da Fundação de Arte e Cultura, Sérgio Espírito Santo, o resgate desse mobiliário promove ao visitante o conhecimento dos costumes das famílias brasileiras do século 19. “Antes, os oratórios eram uma espécie de relicário. Atualmente as pessoas exercem sua fé através de pequenos objetos junto ao corpo, ou em quadros e ouros símbolos religiosos, como as cruzes nas paredes de suas casas substituindo por completo o uso de mobiliários para fins de contemplação”, explica.

A Casa de Cultura Heloísa Alberto Torres pertence ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h e fica na Praça Marechal Floriano Peixoto, nº 303, Centro, Itaboraí. Mais informações no telefone (21) 3639-2035.

Fonte: Portal da Prefeitura de Itaboraí

Deixe uma resposta