Papa: “Oração não é fórmula, mas atitude”

O papa concedeu audiência geral nesta quarta-feira, como habitualmente. O encontro, na Praça São Pedro, reuniu dezenas de milhares de peregrinos e turistas. A catequese de Bento XVI deu sequência à reflexão iniciada na última semana e continuou falando hoje sobre a oração como algo intrínseco ao homem.

“O homem foi criado por Deus e para Deus” – disse ele, explicando que hoje, parece que Deus está fora do horizonte de muitas pessoas, enquanto ao mesmo tempo, verifica-se um despertar do sentimento religioso, que não desapareceu, por mais que muitos o tivessem previsto.

Apesar de ter perdido a semelhança com Deus por causa do pecado, o homem mantém o desejo Daquele que o chama à existência, e todas as religiões testemunham essa busca fundamental. A conseqüência – prosseguiu o papa – é que não existe uma grande civilização que não seja religiosa.

Bento XVI completou sua catequese afirmando que “a oração é expressão do desejo que o homem tem de Deus. Não é uma fórmula simples, mas uma atitude, um estar diante de Deus. Enraizada dentro de nós, é o lugar da gratuidade, da busca do inefável. A oração é um dom, pois é diante de Deus que se revela o momento em que a resposta do homem se transforma em íntima relação com Ele”.

Resumindo seu ensinamento desta quarta-feira em português, o papa disse:

“Queridos irmãos e irmãs,

Dando continuidade à reflexão sobre a oração, iniciada na semana passada, lembro que o homem é um ser religioso por natureza. Ele sente necessidade de sair de si mesmo ao encontro d’Aquele que é capaz de planificar a grandeza e a profundidade do seu desejo: o homem tem em si o desejo de Deus. E, o homem sabe que pode dirigir-se a Deus, sabe que Lhe pode rezar. São Tomás de Aquino define a oração como «expressão do desejo que o homem tem de Deus». Esta atração, que o próprio Deus colocou no homem, é a alma da oração que depois se reveste de muitas formas e modalidades. Na dinâmica desta relação com Deus que dá sentido à existência, a oração tem uma das típicas expressões no gesto de ajoelhar, declarando ter necessidade d’Ele. Assim, a oração, que é abertura e elevação do coração a Deus, se torna relação pessoal com Aquele que nunca se esquece do homem, tomando Deus a iniciativa de chamá-lo ao misterioso encontro da oração”.

Em seguida, o papa fez uma saudação aos grupos de brasileiros presentes na Praça e concedeu a todos a sua benção apostólica.

“Amados peregrinos de língua portuguesa, sede bem-vindos! A todos saúdo com grande afeto e alegria, particularmente aos fiéis brasileiros vindos das paróquias em Goiânia e Teresópolis, e aos grupos da Família Franciscana e de Schoenstatt. Aprendei a reconhecer no vosso íntimo a voz de Deus que, na oração, chama à profundidade da vossa existência, à fonte da vida e da salvação. Que Ele vos abençoe a vós e as vossas famílias!”.

Comentários

comentários

Deixe uma resposta